O FUTURO DAS LESÕES DA CARTILAGEM ARTICULAR DO JOELHO

Dano da cartilagem ? O que fazer?

 

A cartilagem articular tem uma capacidade de regeneração limitada, devido à ausência de vasos sanguíneos e à baixa potência mitogênica dos condrócitos. A auto-cura do defeito não é possível.

Quando não tratada, dependendo da sua localização e tamanho, este defeito irá progredir e, finalmente, resultar em osteoartrite (desgaste da articulação).

 

 

 

 

 

 

                                                       

Para evitar este processo destrutivo, a cirurgia de cartilagem articular visa restaurar a estrutura e a função da cartilagem hialina, que basicamente é a de proporcionar o deslizamento sem fricção durante os movimentos articulares.

 

A Geistlich desenvolveu uma membrana (matriz) para funcionar como uma cobertura de colágeno (Chondro-Gide®) projetado para regeneração guiada.

Esta matriz pode ser utilizada em combinação a diferentes abordagens estabelecidas para o reparo da cartilagem. A aplicação de Chondro-Gide® com as técnicas de estimulação da medula óssea levou a um co-desenvolvimento bem sucedido de um material, hoje conhecido como AMIC® (Autologous Matrix Induced Chondrogenesis).

Lesão da Cartilagem - Site Dr. César Martins

     Local da lesão (bem circunscrita) da cartilagem

Por César A. de Q. Martins, Médico Ortopedista, área Cirurgia do Joelho, Medicina do Esporte Pesquisador da Universidade de Pittsburgh – EUA

Cópia Autorizada  desde que dado o crédito, sob pena de Plágio

Lesão da Cartilagem.a - Site Dr. César Martins

 A membrana a ser colocada no local da lesão.

Lesões de Cartilagem - Site Dr. César Martins

A técnica cirúrgica resumida

Como se observa, o objetivo da técnica é uma mobilização do mecanismo de reparo do corpo e a geração de tecido cartilaginoso dentro do defeito condral. Porém cada indivíduo reage bem às técnicas de tratamento da cartilagem de forma variável.

Referências:

  1. Benthien JP, Behrens P. Autologous Matrix-Induced Chondrogenesis (AMIC): Combining Microfracturing and a Collagen I/III Matrix for Articular Cartilage Resurfacing Cartilage, 2010, I(I) 65-68

  2. Steinwachs MR, Guggi T, Kreuz PC. Marrow stimulation techniques. Injury. 2008 Apr;39 Suppl 1:S26-31.

  3. Neumann K, Dehne T, Endres M, Erggelet C, Kaps C, Ringe J, Sittinger M. Chondrogenic differentiation capacity of human mesenchymal progenitor cells derived from subchondral cortico-spongious bone. J Orthop Res. 2008 Nov;26(11):1449-56.

  4. Kramer J, Böhrnsen F, Lindner U, Behrens P, Schlenke P, Rohwedel J. In vivo matrix-guided human mesenchymal stem cells. Cellular and Molecular Life Sciences (CMLS) 2006;63:616-626.

  5. Steadman JR, Rodkey WG, Briggs KK. Microfracture to treat full-thickness chondral defects: surgical technique, rehabilitation and outcomes. J Knee Surg. 2002 15(3):170−176. Rohner, D. et al. (2013). Int J Oral Maxillofac Surg. 42(5): 585-91.

  6. http://www.geistlich-pharma.com/en/orthopaedic/products/chondro-gide/user-benefits/

                                                       

 

Indicações:

-Lesões condrais e osteocondrais Grau III-IV  (Classificação de Outerbridge)

-Defeitos focais e traumáticos

-Tamanho do defeito aprox. 1,0 - 8,0 cm2

-Pacientes com idade entre os 18 e os 55 anos.

 

Contra-indicações:

-Mais de dois correspondentes defeitos na cartilagem

-Infecção sistêmica ou doença mediada pelo sistema immune

-Osteoartrite instalada

-Reacções inflamatórias da articulação

-Joelho instável, meniscectomia previa

-Varus / valgus (é necessário um procedimento de realinhamento concomitante)

-Hemofilia A / B

-Alergia ao colágeno suíno

 

A técnica combina a microfractura associado a concentrado de medula óssea com a aplicação da matriz bicamada. Após microfractura e aplicação de condroindutores as células migram para o defeito. A matriz, Chondro-Gide®, que é utilizada para cobrir o defeito, proporciona às células uma camada de colonização, estabilizando e protegendo assim o“super”coágulo formado no leito ósseo.

Nesta "câmara biológica" as células são estimuladas para diferenciar e formar tecido de reparação (cartilagem).

O lado liso e oclusivo da superfície da matriz impede que as células se difundam no espaço articular e protegem-nas do estresse mecânico. 

Em resumo, um procedimento destes é associado ao debridamento do local onde há o dano cartilaginoso, microfractura do leito subcondral, concentrado de medula óssea para servir como estimulador da regeneração cartilaginosa, e por fim a colocação da membrana bicamada no local.